11 de out de 2010

A Arte de Barbear

Hoje eu tenho uma mensagem que pode parecer coisa de brucutu ou até mesmo daqueles homens no 'melhor' estilo MMA.

Há pouquissimo tempo eu decidi que estava na hora de revolucionar um quesito da minha vida como homem. Algumas vezes, voces (assim como eu) devem ficar com uma preguiça fudida danada de fazer a barba.
Nesse momento temos duas alternativas: deixar ela ficar agressiva  ou fazer a barba.



E é nesse ponto que a nossa dança começa.

Nos dias de hoje existem N formas de fazermos a barba. Podemos comprar o famoso Mach3 da Gillete que promete um barbear mais rente, mesmo que o comercial mostre um cara com um rosto recem barbeado a laser, depilação ou até mesmo colocam um cara que nem barba tem.



Nós, os cuecas de hoje em dia, temos como base para beleza, querendo ou não, muitas revistas e situações. Homem e boa aparencia é mais para aquela cara lisa como bunda de bebê.

Eu mesmo por um longo tempo pensei assim e tentei varias coisas. Depilar o rosto, seja na cera quente ou na fria, foi uma tortura maior do que a pior tortura medieval. Mach3? Fica até legalzinho, mas a pele depois fica uma cagada terrivel, aspera como um muro chapiscado.

E as coisas começaram a ficar críticas. Comecei a simplesmente deixar a barba crescer e fui me aproximando cada vez mais de um neandertal. E nesse momento decidi tomar uma atitude (depois tambem da minha noiva dizer que ia arrancar aquilo na faca!) e ver uma melhor forma pra manter uma certa aparencia.

Decidi aparar a barba. Mas o grande problema em se aparar a barba simplesmente é que voce acaba por deixar falhado ou mal aparado. E apesar dos pesares não queria voltar a depilar ou usar o tal prestobarba.

E pensei: o que os meus avós usavam para fazer a barba antigamente? Navalhete.
Nisso, fui a uma loja especializada em artigos de cabeleireiros e comprei um navalhete e giletes. Comprei um creme de barbear e pós-barba.



E sabe qual o resultado? Nunca me senti tão bem.
O barbear é rente e afiado como um laser ou o tridente do capeta, mas em compensação voce não tem problemas de inflamação e afins. Obviamente que tem que haver um cuidado redobrado para não ter a garganta fatiada e ficar estribuchando no chão, mas o melhor de tudo é que alem de ser melhor para a pele, ainda é um otimo exercicio de paciência.

29 de set de 2010

Tiros na Madrugada - Conto

- Maldita cidadezinha de merda!! - digo ao chegar em casa completamente molhado, por causa da chuva e do corno do motorista daquele onibus de viagem que simplesmente atolou os pneus dentro da poça d'água proxima a calçada a qual eu passava.
A paz que eu esperava alcançar ao chegar provavelmente tinha saído para dar a sua frequente caminhada noturna para retornar por volta das 7h da manhã, horario em que saio para trabalhar.
- ROMULO!! VOCE TROUXE A MINHA ENCOMENDA?!
- Acabei de chegar cara!! Deixa eu respirar? Mijar? Dizer pelo menos 'boa noite'?
- Voce faz isso depois que me der os meus oculos!
- MIRABEAU!! DEIXA A PORRA DO GAROTO CHEGAR EM CASA ANTES DE FICAR ENCHENDO O SACO!! - grita a minha mãe da sala.
- Eu só quero a porra dos meus oculos!!
- Caraca pai!! Não vou comer essa merda!! Mas eu vou chegar em casa antes de mais nada!! OK?!
Na area de serviço, estou tirando o tenis dos pés com o meu pai urubuzando a minha vida parado a porta me olhando com a mesma frase perturbadora: 'cadê a minha encomenda'.
Passo por ele como se fosse invisivel e começo a vasculhar as panelas em busca de algum resquicio de comida para tentar saciar o monstro que despertara em meu estomago. Ele me segue pela casa como se fosse um agouro. Olho para carabina encostada na parede da sala e penso como seria deflagrar sua munição e acabar com o meu transtorno, mas respiro fundo expulsando o pensamento da minha mente.
- Caraca maluco! Vou te entregar essa merda logo antes que voce me rogue uma praga!!
Pego a minha mochila e tiro a caixinha preta do oculos Ray Ban que ele havia encomendado e finalmente me livro do carma que me seguia a pelo menos 2 semanas.
- Tome cara!! E pelo amor de Deus, me esqueça por alguns dias!
O meu pai se retira e senta a sua poltrona para 'namorar' o seu novo oculos escuro enquanto eu sento frente ao meu computador.
Passada algumas horas decido me deitar para dormir, antes que meu pai ativasse a escrotidão novamente e me enchesse o saco novamente.
Por volta de 1h da manhã sinto um movimento estranho em casa e quando desperto, vejo o meu irmão com olhar carregado do horror e panico.
- O que houve?
- Tem alguma coisa errada. Tem alguem aqui!!
Ainda sonado, levanto da minha cama e pego a carabina. Tenho o cuidado para verificar de forma silenciosa se a mesma está carregada.
Ao chegar a cozinha vejo um ser grotesco, do tamanho de um pequeno cão, com o cheiro de enxofre exalando de seu fucinho fétido e podre, que está revirando a cesta de lixo.
Fico estarrecido com o que vejo e em um breve momento de horror esbarro na mesa da sala de jantar derrubando o grapeador que ali se encontrava.
Nisso, a bizarra criatura nota a minha presença. Com sua boca escancarada, gotejando uma saliva de odor infernal e seus olhos negros cintilantes, ele fita os meus olhos e o seu dorso fica completamente erichado. Estava se preparando para investir e ganhar a sua liberdade custe o que custar, mesmo que para isso tivesse que passar por cima do meu cadaver.
Continuando a fitar a vil criatura, me coloco entre ela e a sua liberdade, pronto para enfrenta-la com toda a coragem que tiver ou até o meu sangue esfriar em contato com o marmore gelado sob os meus pés. E de alguma forma, a besta-fera sabe que não vou deixa-la passar sem uma bela luta e apesar disso, ela parece se divertir.
Engatilho a minha arma exatamente no momento em que ela investe em minha direção. Em uma fração de segundos tenho que me decidir se vou disparar um tiro a esmo, sem mira e sem chances reais de vencer ou se procuro uma outra oportunidade para faze-lo. Dessa forma, corro para a porta que une a sala de estar com a área de serviço, tendo a besta em meu encalço.
Sinto o odor podre de sua boca e o seu calor infernal a me perseguir; escuto sua respiração pesada e ritmada e sei que se continuar naquela tentativa vã de fuga, logo serei pego.
Me viro para a besta-fera no exato momento em que ela salta em minha direção e rolando o corpo para o lado, consigo escapar da sua investida com o intuito de me dilacerar a jugular. Esse é o momento definitivo; espero a vil criatura se virar para mim e deflagro a munição da minha carabina, mirando entre seus olhos que deixam de existir por conta do projetil que se aloja em seu carranca hedionda.
E nesse momento escuto o estampido de uma porta sendo aberta de forma abrupta; meu pai está sob a soleira da porta, com sua maldita calça de moleton, ainda com a nevoa do sono em seus olhos, me observando.
- Puta que pariu, Romulo!! O que está acontecendo?
Sem falar nada apenas foco os meus olhos no do meu pai e depois olho para a criatura morta no quintal de casa.
- Isso está acontecendo!!
- Porra.. todo esse estardalhaço para matar um RATO??



Caros amigos leitores do "Aleatoriamente, Rom"

Quero pedir uma ajuda a voces; se gostaram do conto, clique na barra lateral direita e vote no TOPBLOG's.

Eu agradeço desde já.
Rom

15 de ago de 2010

Homens: Uma Verdade Sobre Eles


Para pessoas que não me conhecem ou que caíram de pára-quedas por aqui, deixa fazer uma breve apresentação da minha pessoa.

Meu nome é Rom e ao contrario do que as pessoas possam pensar, não tenho muito a oferecer para os meus leitores a não ser sarcasmo e acidez em minhas palavras; não que exista um motivo pré-existente para isso; na verdade é algo opcional. Já fiz varias coisas na minha vida, muitas das quais não me arrependo, apesar de que não tornaria a fazê-las. Estudei mecânica industrial na época de colégio, migrei para informática e acabei o meu curto período na Escola Técnica fazendo Enfermagem, tudo isso no intercurso de um ano.

Em meio a isso vivenciei o topo de uma vida longe das rédeas dos meus pais; envolvi-me com varias coisas ditas erradas pela sociedade pseudo-puritanista, regado a muitas drogas, bebidas e orgias.

Tudo isso construiu uma base sólida para pensamentos e idéias do que queria ser na minha vida.

Se esse breve passeio no meu passado já fez você ficar de cabelos em pé e com isso já me xingou de coisas inomináveis e em diversos idiomas, clique aqui e saia.

Ficou aê? Então vamos prosseguir.

Depois de muito tempo vivendo as coisas mais loucas da minha vida, me tornei basicamente um velho numa carcaça nova. Com o passar do tempo e com as besteiras que você faz, acaba vendo as coisas sob uma óptica totalmente diferente dos marinheiros de primeira viagem.

Mas agora vamos ao ponto principal dessa enrolação toda.

Não sei se já perceberam isso, mas no nosso pequeno grão de poeira cósmica singrando o Grande Campo de Areia do Universo existem dois tipos de homem, mas quero que pense apenas no quesito beleza masculina, ok?

A primeira oportunidade que temos para ver isso é no Ensino Médio. Na maioria das vezes, as pessoas que cursam essa fase do ensino têm por média entre 15 a 17 anos. Às vezes alternando para mais ou para menos, mas apenas nas exceções, nunca em via de regra.

O grupo de homens (e quando falo isso estou falando de toda a gama de nascidos homens, independente da sua opção sexual!) podem ser divididos em dois tipos: os feios e os bonitos.

Você agora diz: ok, Rom, você não disse nada que eu não sabia.

Concordo com você que pensa assim, mas pense o seguinte: o que define o que é ser bonito e o que é ser feio? Quem disse que pessoas de olhos claros são inquestionavelmente bonitos enquanto que pessoas de olhos escuros são feios? E vice-verso.

Quem determinou os padrões de beleza?

E aí que entra a minha teoria: os homens têm duas evoluções básicas mediante a sua beleza.

Quantas vezes vocês, mulheres, se depararam com aquele rapaz que na época de colégio era considerado o galã da classe e hoje vê que o cara está um bagaço completo? E em contra-partida viu aquele carinha que achava o projeto vivo do tranca-rua e percebeu que ele deu uma recauchutada no visual?

O que aconteceu?

A resposta é simples: algumas pessoas têm o seu auge de beleza gasta toda numa única tacada e num único momento da vida, enquanto que outras têm uma constante liberação dessa beleza ao longo da sua maturidade pessoal, que na maioria dos homens acontece dos 18 aos 30 anos.

Sabe aquela máxima que dizem que alguns homens maduram enquanto outros apodrecem? Pois bem isso é uma verdade quase que irrefutável.

Basta olhar para alguns dos galãs do cinema. Quer alguns exemplos dos que apodreceram? Que tal isso: Michael Douglas antes e depois; Al Pacino antes e depois.

Uns exemplos dos que melhoraram? Ricky Martin antes e depois; Justin Timberlake antes e depois.

Claro que existe tambem os caras que alcançam um nivel tão foda que o tempo melhora os mesmos e depois de um periodo o tempo simplesmente pára de contar para eles. Um nome? Sean Connery.

Ele é a prova que depois de um tempo algumas pessoas ficam tão foda que o tempo foge de voce!


14 de ago de 2010

Juventude Perdida

Algumas pessoas devem estar se perguntando Onde está o Rom? ao melhor de Where's Wally?
O que será que esse filho da puta sacana anda fazendo que não atualiza o blog?

Poderia dizer que varias coisas, mas isso seria verdade e mentira ao mesmo tempo.

Hoje em dia decidi que era o momento de largar o refugio do mundo virtual a qual eu me escondia há algum tempo e buscar contato humano real. Busquei reencontrar alguns amigos, fazer novos amigos.

Mas não estou aqui para falar sobre isso. O buraco é bem mais embaixo e mais fundo do que aparenta.

Estou aqui para um alerta aos pais. A noção dos adolescentes está indo para a casa do caralho caixa prego.
Sendo bombardeados pela enorme gama de informação inutil, de padrões de beleza duvidosa, subcategoria musical e comportamento ignorantes, tenho muito medo do que esperar da humanidade daqui para frente.

Cresci ouvindo que "nós somos o futuro da humanidade". Se o futuro da humanidade tiver sua mente talhada com vampiros purpurinados, garotas acéfalas, cabelos caídos na cara; torço para que o mundo acabe em 2012.

Aos fãs do universo "criado" da Stephenie Meyer, um conselho: querem conhecer realmente o que é um vampiro? Vejam o filme "Drácula de Bram Stocker". Vejam "Entrevista com o Vampiro". Vejam "Drácula Morto, Mas Feliz".
Querem saber o que é um lobisomem? Vejam "Um Lobisomem Americano em Londres". Vejam o novo filme "Lobisomem".

Aí sim verão a diferença.

23 de jun de 2010

Novidades Mil

Olá caros amigos do "Aleatoriamente, Rom".

Bem, como até o momento eu não tenho nada de muito importante a falar, vou dar apenas uns recados e deixar cada um seguir o seu rumo como bem entender.

Primeiro recado:
Às pessoas que moram na área da Baixada Fluminense ou pessoas interessadas em fotografia, saibam que agora (um pouco abuso de minha parte) existe um Fotoclube e ali trocamos ideias, dicas e afins. Compareça a uma de nossas reuniões e saibam como se filiar.
Para outras informações basta acessar o site do Fotobaixada.

Segundo recado:
Toda ultima segunda-feira do mês, este que vos fala, está postando uma materia no "A Vida Secreta". Mas alem deste, existem varias outras pessoas (ainda mais qualificadas) escrevendo para o AVS junto com a B. e o Admin. Secreto. Comprovem.

Terceiro e ultimo recado:
O Rom, que tambem é conhecido como Romulo, está com um novo site/blog onde o foco principal é fotografia. Não existe nenhum nome diferenciado, mas tenho depositado uma grande parte de mim no mesmo.
Querendo acessar ao site, bastar clicar aqui

Poderia dizer isso foi um drops.. mas isso ficou mais como uma bala juquinha. Lembra disso? Não? Então o que você está fazendo aqui?

Brincadeiras a parte, forte abraço.

19 de mai de 2010

O Retorno Esperado e Uma Pesquisa de Mente e Pênis


Olá, caros amigos.

Nossa. Parece que passou um século que eu não escrevo para o “Aleatoriamente, Rom”. Dentre as coisas que eu estava fazendo nesses tempos estão as matérias que eu fiz para “A Vida Secreta” a qual hoje faço parte desse time com figuras ilustres do meio safadístico da internet.

O Dr. Rom começou a se chegar em dois textos no AVS; o “E aí, foi bom para você?” e “Por que homens gostam tanto de pornografia?” foram para mim grandes aprendizados, até mesmo porque nunca tinha pensado sobre os assuntos em questão.

Algumas pessoas podem achar que eu abandonei (novamente) o “Aleatoriamente, Rom”, mas o que estava acontecendo é que devido a vários problemas pessoais, simplesmente precisava de um tempo sem pensar em nada relativo a mim. Mas com o passar do tempo as coisas começaram a se organizar.

E com a organização da minha vida se aproximando mais e mais, muitas coisas mudarão. A primeira dela é não ser mais conhecido pela alcunha de Dr. Rom, não como um estudante da área biomédica, até porque não tem mais lógica seguir assim, tendo em vista que não faço mais fisioterapia.

As outras mudanças aparecerão com o tempo, falou? Até porque eu já falei pataquadas demais. Vamos ao que interessa?

Sabe aquela máxima que diz que o homem quando tem uma ereção, pensa com a cabeça de baixo e esquece a de cima? Pois bem, de acordo com uma pesquisa realizada com mais de 4,4 mil pessoas (2,5 mil mulheres e 1,9 mil homens) diz completamente o contrario.

Conforme o resultado da pesquisa, homens estimulados mentalmente apresentavam uma reação física bastante visível, se é que me entendem. A pesquisa não alcançou o mesmo resultado nas mulheres, tendo com base para esses resultados a questão cultural (tabus) e timidez.

Mas isso não necessariamente diz que os homens conseguem usar a cabeça de cima quando a de baixo fala mais alto. Na pesquisa não diz nada sobre a testosterona não enlouquecer o homem. Mas da próxima vez que disserem que não conseguimos unir nossas mentes com os nossos pênis leiam essa matéria e vejam também a pesquisa.

E é isso pessoal! Em breve estarei de volta.

2 de abr de 2010

Dr. Rom no A Vida Secreta


Olá amigos leitores do "Aleatoriamente, Rom".

É com muito orgulho que informo que estarei escrevendo para o A Vida Secreta, a convite da querida B. e do querido Admin. Secreto.

E informar as pessoas que ainda escreverei para o Sexo Verbal.

E agradecer a todas as pessoas que me deram força para continuar a fazer esse trabalho. Muito obrigado a todos.

Para quem estiver interessado ou curioso sobre a primeira matéria que eu postei no AVS saiba que falei um pouco sobre a eterna pergunta dos homens e o que algumas vezes ela representa.

Ficou curioso? Então clique aqui e saiba um pouco mais.

Um forte abraço e até breve!

24 de mar de 2010

Com a Mão na Massa


Imagine a cena: um rapaz sai para uma noitada e tenta azarar cada garota da boate que escolhera. A azaração corre solta, tal como a pegação, mas na hora dos “finalmentes”, acaba indo para casa sozinho. Ele chega toma um banho e antes de sair do banheiro, o rapaz decide masturbar-se para “aliviar a tensão”.

As pessoas devem estar assustadas com a forma como eu estou expondo a intimidade do universo masculino. Mas sigo a filosofia que “pior cego é o que não quer enxergar”.

Vários jovens às vezes me questionam sobre seus problemas na iniciação sexual das suas vidas. E nós, internautas que falamos abertamente de sexo, acabamos nos tornando gurus sexuais das pessoas, às vezes por apenas buscar mais a informação.

Não estou dizendo que é fácil peneirar na internet o que vale a pena ou não. Mas vamos voltar à masturbação, ou melhor, ao papo sobre masturbação.

Masturbação em si quando dita a pessoa associa apenas ao ato masculino da estimulação de seus órgãos sexuais. Porém a masturbação é todo e qualquer ato de estimulação aos órgãos sexuais, seja masculino quanto feminino, que tem como objetivo a obtenção de prazer podendo ser ou não seguido do orgasmo.

Muito bem, depois de um papo chato de um Orientador Sexual de uns 90 anos, vamos a parte menos chata.

A masturbação é o ato que conduz o ser (seja homem ou mulher) a um caminho de auto-conhecimento. Pode parecer um pouco demais falar algo do gênero para um ato corriqueiro (pelo menos para muito dos homens), mas é a mais pura verdade.

O homem ou a mulher só vão alcançar o ápice do conhecimento sobre o que mais lhe dá prazer através da experimentação. Como saber que o morango é doce sem morder-lhe a carne suculenta?

Mas e quando o ato de conhecer-se acaba se tornando uma obsessão?

Muitos homens (para as mulheres eu deixo o espaço nos comentários para darem a sua opinião sincera) almejam por transas maravilhosas, cheias de peripécias e acrobacias sexuais o que acaba causando um certo nível de frustração quando se deparam na cama com uma mulher de verdade e não a mulher idealizada mentalmente e isso pode ser um transtorno para a pessoa, seja o praticante quando a companheira.

E algumas coisas são tão simples de resolver que chega a parecer bobeira. Quando dizem que muitos problemas se resolvem com uma boa conversa não estão mentindo.

Não existe nenhuma contra-indicação em masturbar-se, até porque o orgasmo libera uma serie de hormônios e gera vários estímulos no cérebro que dá a sensação de felicidade e relaxamento muscular. Mas trocar uma serie de afetos com uma pessoa real para idealizar uma transa fenomenal é jogar contra você mesmo.

Sexo não é apenas penetração; é carícia afetividade, companheirismo. Sexo é falar aquela bobeira ao pé do ouvido ou até mesmo aquela safadeza. E por mais que a sua mente possa gerar uma serie de coisas que você gostaria de ouvir, a mulher do seu pensamento não pode te afagar ou abraçar, mesmo quando os corpos estão em gotas e o coração prestes a romper a caixa torácica.

Como no primeiro parágrafo desse texto, pode até servir para “aliviar a tensão”, mas não deve substituir uma relação seria.

Pensem nisso.

20 de mar de 2010

Dando Vazão às Vontades



Por Tarso de Souza

Pois é gente, e cá estou eu de novo com mais um texto, sobre o que acredito ser polêmico e ainda um tabu pro moralistas (como, aliás, a maior parte das coisas é tabu). Meu texto de hoje é pura e simplesmente a realização daquelas vontades sexuais secretas que as pessoas têm. Vai dizer que você, amiga, não acordou num belo dia de solteira e pensou “nossa, como eu queria um bom sexo hoje”, ou você, meu brother, que fico lá, se matando na punheta quando na verdade queria apenas um sexo de qualidade.

É gente, que sexo é bom, todo mundo sabe, que deve ser bom pros dois, também se sabe... e o quê se faz quando se está sozinho ou solteiro? Você se acaba na masturbação? É uma alternativa... mas todo mundo sabe que não se compara à presença do outro, ao carinho de antes e depois do sexo, não tem o cheiro, não tem o contato do outro... e pelo menos EU considero isso uma merda.

Pois bem, voltando à minha narrativa... já tem um bom tempo que meu último namoro terminou (Oi, quê? Um mês de namoro, e nem sexo teve, isso conta?), e eu, conversando com várias pessoas interessantes, mas até então, nada de concreto, um ou outro cinema, uma ficada ocasional, nada de cruzar o limite das roupas... pois bem aí, na grande janela do MSN da vida, eu continuava conversando com um certo amigo especial, por quem eu babo horrores, e ele me chama pra ir pra casa dele, a gente ouvir música, conversar.

Até então, era só isso mesmo, e meu radar de sexo apita “por que quando você chegar lá, não dá em cima dele e vocês se pegam? Pode até rolar um sexo no primeiro encontro...” Mas espera lá, sexo no primeiro encontro? Isso não faz de mim um oportunista e dele um oferecido?
Baseado nos critérios de quem isso dá atribuições negativas? De uma sociedade misógina e machista? Meio paradoxal né? De uma sociedade que preza o envolvimento romântico e a comunhão do casal e.... PODE PARAR!

Tem horas que a gente não quer romantismo, a gente quer sexo mesmo; pura e simplesmente. Claro que, com envolvimento é muito melhor, tem mais cumplicidade... mas quem disse que sexo avulso é ruim? É bom do mesmo jeito... e ainda sem a preocupação de enjoar! [risos] okz, brincadeira gente, como alguém que já levou um relacionamento estável, eu sei que dá pra quebrar a rotina e a gente não enjoa...

Mas raciocinem comigo, não é uma verdade que, às vezes, em vez de todo o ritual de cortejar, sair pro cinema, jantar, e depois esticar a noite, a gente pode simplesmente pular o que vem antes e emendar a tarde e a noite de uma forma muito gostosa.

Pois bem, com várias coisas em mente (sobretudo a minha vontade de ficar com ele), lá fui eu... e a gente conversou, riu, dançou, no apartamento vazio, só nós dois. Eu fiz uma massagem nele, a gente conversou mais, se beijou, e rolou, pura e simplesmente.

E FOI ÓTIMO.

Então, como a maior parte das coisas da vida, sexo simplesmente acontece, não tem que ser complicado, mágico, científico ou moralista. Sexo é sexo. É bom; querendo ou não, nossos pais fizeram, temos que conviver com isso. Nossas mães chiam quando descobrem que já fizemos (meninas), nossos pais nos apressam para fazermos (meninos). Todo mundo faz, a maior parte das pessoas gosta e tem vergonha de admitir.

Então, fica a dica, praquele sabadão que vc acordou CHEIO de vontade, pra ficar remoendo culpa de “ah, quero sexo, mas não sei como chegar no fulano que me dá mole”... simplesmente chega, mostra que você é bem resolvido, façam alguma coisa e deixem rolar tranqüilo. Se vão ficar, se amassar, transar ou qualquer outra coisa, é de vocês, mas sempre com responsabilidade, e notando a diferença de SEXO e relação. Não é porque você amiga, deu praquele homem saradão que você sempre foi a fim que vocês estão juntos. Foi apenas sexo. Bons momentos que vocês dois curtiram, e podem vir a repetir um dia qualquer.

Dizem as boas línguas que às vezes surgem relacionamentos muito bons de situações como essa, na pior das hipóteses, sua vontade passou, e você sabe que, se tiver vontade de novo, já sabe como resolver. Sem moralismo.

De resto, aproveitem BASTANTE, meninas e meninos, mas não se esqueçam da camisinha hein? E aproveitem as de diversos sabores, a que prolonga a ereção, aquelas que esquentam e esfriam, aquelas com formatos especiais... [risos] deixa eu parar porque senão, eu me empolgo...

Beijos!



Tarso de Souza é um professor do Ensino Fundamental EJA (Educação de Jovens e Adultos) de uma Escola Estadual em Duque de Caxias, onde mora. Em seu blog Requiem Para Os Sonhos Despedaçados, ele mostra um pouco sobre as coisas que acontecem na sua vida e agora aqui no "Aleatoriamente, Rom", falando um pouco sobre a noite carioca em suas nuances mais intimas.

14 de mar de 2010

Notificação: Email de Contato


O "Aleatoriamente, Rom" está com um email exclusivo para ele.
Aqui você poderá mandar suas duvidas, reclamações, sugestões e outros.

Basta enviar um email para contato.dr.rom@gmail.com ou clicar no link Contato na barra lateral para enviar um email direto.

Abraços
Dr. Rom

Cara ou Coroa..


Infidelidade e Fidelidade. Como primeiras palavras de um texto essas podem descrever basicamente o que vem a seguir.

Não há o que negar; vivemos numa sociedade machista que mantém essa particularidade tanto pela sua população masculina quanto feminina. Dizer que apenas os homens são machistas é como dizer que só encontramos no mercado de flores, as rosas vermelhas.

Muitas mulheres acoitam as traições de seus maridos sob o pretexto de querer manter a harmonia do lar. Eu sei disso porque vivi por muito tempo numa família assim, onde tenho um pai que deu suas “puladas de cercas” antes do nascimento dos meus irmãos mais novos e uma mãe centrada mais na família do que na sua própria auto-estima.

Dizer que apenas homens traem é uma bobagem sem tamanho. Se nós homens temos possibilidades e facilidades para trair, acreditem, elas têm bem mais possibilidades do que nós. E elas fazem desde que surja a motivação para tal e não se enganem nós homens é que damos a motivação para tal.

Antigamente as mulheres viam-se no dever social de se sujeitarem a que os seus maridos impunham ainda mais com o dito “dono do lar” pagando as contas e bancando a casa, o que colocava o homem em uma posição privilegiada em que poderiam trair suas companheiras que a hegemonia do lar permaneceria intacta. Mas com a notória e crescendo dominação do mercado de trabalho pelas mulheres, que dão um banho de profissionalismo e inteligência, essa estrutura em que o “homem tudo pode” ruiu de uma forma irreparável.

O homem que trai e é pego na “pulada” sabe que vai ter um problema nas mãos. Por conta de uma aventura esporádica, vai perder muito mais do que apenas os bens numa luta judicial. Até porque onde é que poderá encontrar uma amiga para todas as horas e que ainda divide a cama de forma prazerosa com você?

“Vai um trem, vem outro”? As coisas não são bem assim hoje em dia. Quando somos jovens tudo parece curtição; sair para azarar a mulherada, ficar com dez mulheres numa festinha, beber até cair. Mas isso ao longo dos anos vai se transformando num problema, ainda mais quando a pessoa vai necessitando de suprir uma carência afetiva após passar por vários relacionamentos frustrados e depois que encontra a pessoa que aceita você da forma que é põem tudo a perder por um momento de luxuria? O que vale mais? Conquistar várias mulheres, que vão permanecer por um breve momento na sua vida? Ou conquistar a mesma mulher todos os dias e curtir um relacionamento duradouro e gostoso?

De forma grosseira de comparação é o mesmo que trocar aquele emprego seguro por um emprego provisório; se quiser tentar esteja a vontade, cada um tem o seu modus operandi, mas saiba que cada ação tem uma reação de sentido oposto e forças iguais, como já dita a Terceira Lei de Newton.

A traição não é um ponto positivo num relacionamento. E para os leigos, swing não é traição, ainda mais que consensualmente tudo é valido.



Apenas para lembrar que agora o "Aleatoriamente, Rom" conta com uma ferramenta de tradução de texto para diversos idiomas. Basta escolher o idioma na barra lateral e curtir o que o Dr. Rom tem para vocês.

Just to keep on your minds that "Aleatoriamente, Rom" has a text-translating tool support to several languages. Just choose the language you wish for on the side bar and enjoy what Dr. Rom has for you.


8 de mar de 2010

Orgasmo: Dificil de Ter ou de Compreender?


Sabemos que uma relação tem como um fator movimentador um pouco do melhor exercício do planeta: sexo.

E com o tempo vemos que os homens estão começando a ficar mais preocupados com o bem-estar e prazer da parceira do que com o próprio pênis; e uma conseqüência disso é o grande acesso a sites que falando sobre sexualidade e sexo.

Os homens estão buscando cada vez mais entender como fazer a sua parceira realmente sentir prazer e isso é um passo positivo.

Mas eu, o Dr. Rom, não vim aqui para ensinar como fazer a sua companheira chegar ao orgasmo ou ter prazer e sim em como saber que ela está realmente curtindo.

Pode parecer sacanagem, mas a verdade é um dos grandes motivos para a maioria das mulheres fingirem o orgasmo ou o prazer que sentem é para manter o relacionamento e não como forma de ludibriar o parceiro. Mas, infelizmente, com isso elas apenas constroem homens insensíveis que acreditam ser verdadeiros “Don Juan” na arte de fazer uma mulher sentir prazer.

E conseqüentemente os homens acreditam ser capaz de fazer qualquer mulher chegar ao orgasmo quando na verdade cada mulher tem uma forma diferente da outra para alcançar prazer.

E para ajudar os cuecas-de-plantão que já se frustraram ao perceber que não são da forma que esperavam aqui vão algumas dicas para saber se a sua companheira está em ponto de bala ou de sorvete.

1- Se a mocinha chega ao orgasmo sempre, independente da posição, desconfie. Pouco mais de 30% das mulheres realmente alcançam o clímax através de penetração. Posições como de quatro e de pé, como tem pouco contato com o clitóris torna o orgasmo menos provável. Dica: se deixe levar pela brincadeira e complete o jogo com as mãos ou um vibrador para terminar o serviço.

2- Quando ela está excitada e chegando ao clímax, a respiração fica ofegante, não é? Se ela estiver fingindo pode esperar por uma respiração digna de um peixe fora d’água buscando ar. Se estiver exagerando, pode desconfiar que há mentira.

3- Não se enganem, homens. As mulheres fingem o orgasmo para fazerem seus parceiros se sentirem melhores e por conta da encenação, após fingir clímax, evitarão todo e qualquer bate-papo. Mas quando o orgasmo é fidedigno, o corpo libera ocitocina, um hormônio calmante e que favorece com que o casal se aproxime.

4- Se a sua companheira faz cara de Monalisa na hora em que diz chegar ao orgasmo, pode acreditar que tem algo de errado no ar. Quando um orgasmo honesto surge, a gata contrai os músculos pélvicos, fecha os olhos, fica com o pescoço arqueado, mamilos e pelos eretos, boca contorcida, leve tremores e vemelhidão ao longo do corpo. É espontâneo.

5- Acabou o sexo e ela correu para o banheiro. Mau sinal. Se o orgasmo for verdadeiro ela vai precisar de uns minutos até o sangue voltar a circular normalmente. Então quando perceber que ela está chegando lá esqueça um pouco do próprio pênis e concentre-se em satisfazer a sua parceira. Se você fizer o trabalho corretamente, poderá partir para o segundo round no chuveiro.

4 de mar de 2010

Dr. Rom no Sexo Verbal. De Novo

Pois bem pessoal, voces pediram aos céus que isso não voltasse a acontecer, mas parece que têm que rezar mais.

Dr. Rom mais uma vez deu (ui!) o ar da sua graça no Sexo Verbal e dessa vez foi falando sobre como o Sexo pode aliviar o Estresse.

Ficou curioso? Entre no Sexo Verbal e confira.

22 de fev de 2010

Conto: Jogo de Sedução

Um conto de G.

Nada poderia ser mais comum do que o casal passeando pelo Centro da cidade; ele correndo de um lado para o outro, ansiando por terminar as coisas mais rápidas o possível para encontrar com a G., enquanto ela busca fazer suas coisas o mais correto (e tão rápido quanto possível) para sair do trabalho. E como sempre A. está atrasado.

Dentro do tempo correto G. está aguardando a chegada dele, que entra pela porta da ante-sala, completamente esbaforido.

Após percorrer algumas lojas ao caminho da casa, finalmente eles se recolhem longe do calor escaldante da cidade.
G. tinha alimentado a sua fome consumista e comprara o seu presente de aniversario e experimentava um belo vestido e uma sandália com salto que amara.

Observar aquela beldade bem a minha frente despir-se como se estivesse na segurança de sua casa e não na minha frente, fazia A. ficar cada vez mais apaixonado.

Ele estava a me observar, podia sentir o olhar desejoso a percorrendo o meu corpo, ainda mais que eu o estava a provocar; sabia que ele adorava quando colocava o meu salto e nesse momento foi que uma idéia me ocorreu: vou brincar com ele; seduzi-lo.

- Amor, por que você está me olhando assim?
- Por nada. Apenas vendo como você fica linda e sexy com salto.

Um banho rápido, de forma um mais exibicionista e era palpável o aumento do desejo de A.

Ao me aproximar dele, pude ver que seus olhos não eram mais do menino-homem que eu tanto amava, e sim um homem contendo o desejo que habitava seu corpo.

Com uma calcinha de renda cinza e um sutiã que deixava bem a mostra o seu belo corpo, G. caminha até A. que estava sentado sobre o sofá da sala de estar, sentando sobre o seu colo. Começando a passear sua pequena mão sobre o rosto dele, conduz até a nuca de A. passeando pelo seu cabelo.

A. não consegue se conter e tomando-me em seus braços, me beija como se fosse a ultima vez que fossemos estar juntos e eu me entrego aquele beijo e aqueles braços sem ter medo do amanha.

- Eu tento resistir a você, mas penso bem e vejo que não tenho motivos para isso.
- Resista a mim se puder, vamos fazer um jogo.

Ele me olha de um jeito e um sorriso sacana e isso é uma confirmação de que o jogo vai começar.
G. se levanta e vai até a bolsa de onde tira um lenço de seda, com a qual venda os olhos de A., enquanto que esse, continua a esboçar um leve sorriso de desafio.

- Eu resisto a você, G.

Eu começo a tentar beijá-lo, mas ele curtindo o desafio cerra os lábios, impedindo-me de alcançar o interior da sua boca com a minha língua. Sinto o seu corpo reagindo ao contrario da sua mente. Sinto o seu sexo começar a esquentar enquanto o sangue é bombeado para lá a fim de conceder-lhe uma bela ereção.

- Eu resisto a você, G.

Beijo o seu pescoço sentindo a sua respiração mudar de tranqüila para ofegante, e mesmo assim ele não pede para que ter-me. Tento novamente beijá-lo, mas ele resiste a minha tentativa. Sinto o seu sexo começar a pulsar de excitação, mas sua vontade ainda está inabalável.

Desço e começo a beijar seu tórax, alternando entre beijos e mordidas. Levo minha mão ao se sexo, quente, rijo, arqueado e sinto A. travar um gemido que ousara escapar.

- Ainda quer tentar resistir? Até quando você vai conseguir resistir?
- Eu consigo resistir a você, G. Pode acreditar.

G. começa a sentir um calor percorrer todo o seu corpo e encharcar sua calcinha. Aquela tentativa de contar a excitação latente fazia com que ela ficasse cada vez mais excitada, porem sentia-se cada vez mais desafiada e tentada a fazê-lo fraquejar. Então ela retira a sua calcinha e sentando em seu colo, recomeça a tentativa de faze-lo desistir.

Percorrendo minhas mãos pelo seu corpo, sinto o seu corpo responder aos estímulos causados em forma de suor, resultado da batalha que ele travava entre a mente e o corpo. Sentia que ele estava fraquejando a minha vontade.

- Abra a boca!

Nenhum momento por parte dele.

- Abra a boca, A.

Nada ainda.

Desfiro um tapa contra o lado esquerdo do seu rosto seguido da mesma ordem. Com o corpo tremulo A. se rende ao meu beijo. Consegui seduzir o meu homem, meu menino, meu amante, meu brinquedo.

- Você desiste?

Seu corpo estremece e ele se entrega.

Posicionando-me sobre ele, sinto o seu sexo deslizar para o meu interior e preencher-me. Mordisco o lábio inferior para impedir que um gemido escape pela minha boca, coisa que A. não se esforça em tentar fazer, gemendo com vontade, permitindo que toda a sua mente potencialize o que o corpo desejava.

Em um jogo em que os dois não se permitem dar mais de si do que a sua alma completa, eles gozam de uma sincronia absoluta e se entregam ao orgasmo quase que no mesmo instante, caindo por sobre o sofá, completamente exaustos e tomados de suor.



Apenas para lembrar que agora o "Aleatoriamente, Rom" conta com uma ferramenta de tradução de texto para diversos idiomas. Basta escolher o idioma na barra lateral e curtir o que o Dr. Rom tem para vocês.

Just to keep on your minds that "Aleatoriamente, Rom" has a text-translating tool support to several languages. Just choose the language you wish for on the side bar and enjoy what Dr. Rom has for you.

21 de fev de 2010

Espelho, espelho meu

Por Tarso de Souza


Não, não é conto de fadas, mas é assim que começa o meu post pro Aleatoriamente Rom . Muito prazer, eu sou o Tarso, 25 anos, professor, nerd nas horas vagas e eventual vagabundo de internet.

Não, não tenho a mínima pretensão de ser cronologicamente exato ou relevante aqui, visto que isso seria contar muita coisa desnecessária, vou me ater a coisas significativas que acontecem/aconteceram comigo ou com pessoas próximas a mim, e que de alguma forma, mudaram minha forma de pensar, ou provocaram alguma reflexão (válida).
Então, sem mais me alongar, vamos ao assunto!

Sou MAGRO, tenho plena consciência disso. Culpa da intolerância alimentar, genética, seja lá o que for. É um martírio, acreditem... porque, se as mulheres acham que ser gordo é problema, ser magro e não conseguir engordar é tão ruim quanto.

Um ano de academia, cinco meses de suplemento recomendado pela nutricionista, e eu engordei o quê? 6 quilos? Seria ótimo se eu não pesasse 50 kg antes.... e quem é que presta atenção em pessoas com cara de criança e corpo minguado? Pois é, na balada é um tormento! Ninguém chega junto, só os exus (nada contra os feios hein? Até porque eu não sou dos melhores... mas pera lá né?)

Olha aí, saí do assunto. Pois bem: Nunca fui fã de ficar me olhando no espelho... o que é HORRÍVEL, porque minha mãe cismou de colocar um espelho ENORME no banheiro, e eu tenho que: ou tomar banho de olhos fechados, ou ficar vendo meu corpinho magrelo; e quando eu saía, abusava da combinação de cores e sobreposições casaco + blusa, porque disfarçam bem, ou pelo menos aparentam disfarçar.

Aí, mês passado me deu alokíssima e eu decidi tatuar as costas. Amei o desenho, todos pra quem eu mostrei adoraram e começaram a perguntar “Vai começar a andar sem camisa agora? Pra mostrar?”

JAMAIS! Pelamordedeus né? Andar sem camisa só se for pra mostrar alguma coisa que valha à pena ser mostrada!

Mas fato que muita gente tem comentado que eu estou com o rosto mais cheinho, a barriga começou a ficar definidinha, e quando postei fotos da tatuagem como avatar do MSN, as pessoas “MEU DEUS, QUE COSTAS LARGAS!” eu meio que desconfiei que fosse zoação.

O teste foi na sexta-feira, fui com um amigo pro Cine Ideal, uma boate aqui do Rio de Janeiro, porque a Lorena Simpson ia fazer show. Não conhece? Google it! Mas então... UM CALOR... fiquei uma hora na fila VIP pra poder entrar, chegando lá, vira-vira de Hi-Fi, Cuba Libre e outras coisas alcoólicas (podem me chamar de bebum depois) e a música eletrônica tocando, o calor subindo (não, ainda não estava bêbado, nem fiquei), um menino muito bonitinho me olhando, passando por mim direto e eu na minha, droga, sou magro, tenho cabelo prateado, será que ele está me dando mole ou está pensando “nossa, como ele é magro!”, e eu NUNCA cheguei em ninguém na vida... mas era hora do vamos ver né? Quando ele passou de novo por mim eu o segurei pela mão e fiz a pergunta, ele riu, e ficamos a noite toda.

E o calor subindo, até que eu olhei pros lados, cheio de caras saradões, sem camisa, e eu com meu corpo franzino e, quer saber? Chega de ter pena de mim mesmo, chega de sentir vergonha pelas coisas que eu não tenho e começar a sentir orgulho do que é meu! Tirei a camisa. As pessoas elogiaram a tatuagem, as minhas costas, a barriga que começa a apresentar gominhos, mas eu nem ligo pras pessoas, eu estava acompanhado então, e ele disse “nossa, você é um magro definidinho, queria ser assim, eu sou um magro feio”

E acertou em cheio em mim. Até então, eu tinha plena consciência de que existem pessoas desconfortáveis com o fato de serem magras, mas não conhecia nenhuma. Abracei-o pela cintura e disse no ouvido dele “Eu não acho. E não é um flerte. Acho que você tem que gostar de si mesmo do jeito como é”

AHH!! QUE LINDO NÉ? Parece hipócrita? Até parece. Mas o que não gostamos de nós mesmos, temos plena liberdade de tentar mudar, de forma saudável e responsável. Nesse um ano de academia, com altos e baixos, xingando o professor pela minha série pesada, reclamando com a nutricionista pela dieta, me regulando pra comer a cada 3 horas, eu tenho feito o possível pra me sentir bem comigo mesmo, e acho que isso finalmente chegou.

Eu ainda quero ficar mais definido e mais fortinho... todo mundo pode melhorar, um corte novo de cabelo, mais abdominais pra queimar os pneuzinhos, uns pesinhos pros braços não parecerem gravetos, uma bicicleta pras perninhas saradas... nem que seja uma caminhada e subir escada. Isso todo mundo pode fazer. Nós somos os maiores interessados e os nossos maiores aliados na tentativa de nos sentirmos bem, só que na maior parte das vezes, desanimamos.

A noite acabou, trocamos telefone. Eu, que fui Marilyn Monroe pra boate voltei Marilyn Manson, devastado. Cheguei em casa, peguei o pijama, fui pro banheiro tomar banho. E o bendito espelho estava lá, mostrando minhas olheiras de sono, a testa com suor. Mas por algum motivo, eu não olhei pra nada disso, não pensei em nada que me aborrecesse ou me deixasse pra baixo. Aquele espelho não precisava ser meu inimigo, ele podia me mostrar as áreas onde eu preciso melhorar sim, mas ele também me mostra tudo o que já melhorou em mim.

Não quero dar uma da Madrasta Má, “espelho, espelho meu, existe alguém neste reino mais bela do que eu?”. Não quero um troféu de Miss ou de Mister, quero me sentir bem comigo mesmo... e isso depende exclusivamente de mim.

E com essa nova verdade e convicção na vida, o banho foi muito mais relaxante, e eu deitei na cama e dormi PESADO.

Agora, como nós encaramos nossos espelhos, depende unicamente de nós. Podemos ver sim, que existem pessoas mais bonitas. Podemos ver que existem pessoas mais feias. Podemos nos ver como realmente somos. Podemos nos ver como queremos ser. E vocês, como se vêem nos seus espelhos?



Tarso de Souza é um professor do Ensino Fundamental EJA (Educação de Jovens e Adultos) de uma Escola Estadual em Duque de Caxias, onde mora. Em seu blog Requiem Para Os Sonhos Despedaçados, ele mostra um pouco sobre as coisas que acontecem na sua vida e agora aqui no "Aleatoriamente, Rom", falando um pouco sobre a noite carioca em suas nuances mais intimas.

18 de fev de 2010

Conto: Mudando os Planos

Um conto de G.

Como de costume, eles mudam completamente os planos que tinham para aquela tarde e rapidamente mudam a rota.

Poderiam chamar de vários nomes diferentes àquele lugar, as para eles era apenas uma casa que já tinha o cheiro de sexo impregnado nas paredes, cama e em suas peles quando atravessavam aquela porta.

Um sorriso percorre seus lábios ao se olharem e mirarem a cama que muitas vezes foi como refugio para os problemas que deixavam do lado de fora da casa.

Em tempos passados, o simples cruzar da soleira da porta já era um motivo para se entregarem aos braços do outro sem o menor pudor, mas hoje, quase dois anos de convivência, aprenderam que tudo tem o seu tempo.

Ela observa o seu amante (amigo, companheiro, conselheiro) começar a sua velha rotina de sempre, tira o tênis (que o deixa com uma aparência de rapaz novo), camiseta e calça, exibindo uma cueca boxer escolhida propositalmente.

Ele observa a mulher que o cativou (com mais facilidade do que ele gosta de admitir) despir-se de seus pudores e roupas, exibindo seu belo corpo, pequeno e delicado, enquanto sorri de forma maliciosa, pois sabia muito bem o efeito que causa nele.

A. se senta sobre a cama e a observa caminhar em sua direção. Sorrindo ele a agarra colocando-a sobre o seu colo.

- Estava com saudades de você, sabia?
- Acho bom mesmo, mocinho.

Entregando-se a um lascivo beijo, suas mãos perdem o foco do que é o outro, percorrendo o corpo como um amante ofegante e desesperado por se sentir vivo.

Ela toca o corpo do A. como se não o tivesse percorrido há anos e sente a pressão do seu sexo rijo a pressionar o seu sexo, mostrando que o desejo dele por ela não diminuíra nada com o passar do tempo.

Ele começa a percorrer o pescoço de G., buscando de forma cálida a sua boca; ávido de sentir seus lábios contra o dela. Os beijos dela são quentes, sedutores, apaixonados, lascivos. E todas as vezes que ele se entrega àquele corpo e aquela boca perde um pouco mais da sua identidade e morre um pouco mais. Uma pequena morte, que faz com que ele ressurja como um novo homem nos braços da mulher que é a autora do seu amor e prazer.

A. a deita sobre a cama e ao mirar seus olhos, os vê brilhando de desejo; um desejo conhecido por ele, já que transbordara do mesmo desejo. Ele puxa de forma lenta e delicada a calcinha de renda que ainda conservava em contato com o delicado corpo de G.
Despindo-se do que ainda faltava de sua roupa, A. deita-se sobre G. tornando-se um.

Podia sentir ser preenchida, tanto o seu sexo, quanto o seu peito, por um calor resultante do tesão que A. provocava em seu corpo. Ele sempre fora carinhoso com ela, mesmo quando em um súbito acesso de excitação, gostasse de sentir-se tomada; domada. Suas mãos percorriam o corpo de A., sentindo cada músculo das suas costas se contraindo em resposta a dança que executara ao penetrá-la. A excitação vai tomando forma e conta do seu corpo de forma que a única sensação que notara é o corpo de A. adentrando ao seu e a respiração dele tornando cada vez mais ofegante.

Deixando de lado toda e qualquer resquício de pudor que poderia haver, se é que deveria haver algum nessa relação, G. se coloca por cima de A. na posição que gostava de ficar pela possibilidade de poder olhar em seus olhos castanho-escuros e vê-los se revirar de prazer. Agora era a hora de ela começar a dança que tanto agradava a ela quanto a ele. Numa dança de vai-e-vem, sentia toda a extensão do sexo do seu amado preencher o seu ventre, enquanto que o mesmo arfava de paixão e desejo. Não demoraria muito para que começasse a sentir a excitação chegar ao seu ponto máximo, tanto que começara a sentir o céu da boca a adormecer; e num súbito arquejar de costa sentira seu corpo estremecer, adormecer e retornar de forma mágica, resultante do orgasmo obtido.

G. cai ao lado do seu amado, corpos suados e entregue ao olhar apaixonado e sacana que estampava em seus rostos.

E esse é apenas o começo de uma longa historia.



Apenas para lembrar que agora o "Aleatoriamente, Rom" conta com uma ferramenta de tradução de texto para diversos idiomas. Basta escolher o idioma na barra lateral e curtir o que o Dr. Rom tem para vocês.

Just to keep on your minds that "Aleatoriamente, Rom" has a text-translating tool support to several languages. Just choose the language you wish for on the side bar and enjoy what Dr. Rom has for you.

17 de fev de 2010

Retorno as Atividades


Sei que o "Aleatoriamente, Rom" está meio paradão, mas depois de curtir o carnaval e todas as festividades necessárias para o inicio do ano realmente, estaremos retornando as atividades normais a partir de amanhã.

Sendo assim estarei divulgando algumas novidades do site em si e de contatos.

O “Aleatoriamente, Rom” agora tem um podcast cujo nome é “Dr. Rom Fala” que em breve estará com novidades maravilhosas, tal como entrevistas nerd’s e falando sobre sexualidade.

Assim como vocês podem entrar o Dr. Rom no Twitter, Facebook, Blip.fm, Linkninja, Formspring.me e poderão encontrá-lo clicando nos links.

E eis o link para a chamada do “Dr. Rom Fala”.

Até breve.

2 de fev de 2010

E Hamlet diria: “Trair ou não trair, eis a questão”.


Espero que o espírito do [magnífico] escritor William Shakespeare me perdoe pela piadinha envolvendo um dos seus mais famosos livros, a qual o príncipe da Dinamarca, Hamlet, faz a declamação mais famosa do mundo “Ser ou não ser, eis a questão”.

A minha leve alteração é para colocar em pauta uma das duvidas mais absurdas dos homens e das mulheres, também.

Qual mulher que nunca se viu em uma situação em que não sabia se traia ou estava sendo traída pelo seu companheiro? E qual homem que nunca esteve na mesma posição?

A verdade, por mais dolorosa que seja, é que tanto homens quanto as mulheres tem em seus gens a predisposição de terem o maior numero possível de parceiros sexuais. Não estou fazendo valer a máxima que “homem que é homem tem que ter varias mulheres para medir sua potencia sexual”.

Se formos ver em nossos antepassados (lá nas cavernas), poderemos ver que em decorrência da escassez de parceiros sexuais (tanto da parte dos homens quanto das mulheres) a tendência era que o “macho” copulasse com o maior numero de “fêmeas” e vice-versa. Até porque a ordem natural ditada pelo cérebro era procriar.

Se formos pesquisar ao derredor do mundo veremos que a monogamia é o caso raro, sendo executada em 43 das 238 sociedades; é um numero realmente pequeno, não acham?

A traição é um elefante que é colocado nas costas das pessoas da nossa sociedade, mas aprendemos a lidar com isso de tal forma que a dor da descoberta ficou menor desde que saibamos pela pessoa que está ao nosso lado.

Porem independente disso tudo nos tornou tão dependentes de uma relação estável que não sabemos como fugir da possibilidade (mesmo que fictícia) de sermos traídos e em dados momentos tende a destruir o mesmo relacionamento mesmo sem ter ocorrido a traição.

Mas o que constitui uma legitima traição? Um olhar, um toque, uma fala? A verdade é que não existem modos de medir quando começa uma traição, mas nem por isso quer dizer que seja o fim do mundo.

27 de jan de 2010

Dr. Rom fala sobre Virgindade


Sigmund Freud

No embalo da pergunta anterior. Tenho 27 anos e sou virgem. Já tive relacionamentos anteriores com garotas, mas sempre fizeram jogo duro. Já deixo de antemão a informação de que não sou gay e nem tenho vocação pra isso. Sou um looser total?

Olha, de forma clara e honesta, não existe idade certa para se perder a virgindade.
Eu poderia enumerar centenas de casos em que a pessoa perdeu a virgindade depois de uma idade consideravel.

A verdade é que a sociedade em que vivemos hoje em dia montou uma cartilha sobre "Homem e a Virgindade", tornando a vida de certos homens um verdadeiro inferno, porque muitos pais ainda têm o pensamento que se o filho não perder a virgindade logo nas primeiras decadas de vida, existe algo de errado e o referido filho pode ser homossexual. O que não é nem perto da verdade.

A questão da virgindade não necessariamente envolve uma epoca ou idade para faze-lo, porque se fosse assim muito homens acabariam por perder a virgindade em prostibulos apenas para se livrarem do estigma que é ser taxado de virgem.

Quanto ao seu caso, não vejo como uma forma de ser "looser". O meio social a qual vivemos todos os dias de nossas vidas vai determinar a possibilidade de um relacionamento sexual favoravel, até porque se vivermos num colegio interno só para rapazes a possibilidade de ter uma relação sexual reduz consideravelmente.

Quanto as ex's que faziam jogo duro é uma questão de avançar o sinal no momento certo, entende?
Existem coisa que os homens podem fazer para melhorar a aceitação da parceira com relação ao sexo. Um homem disposto a ser carinhoso, compreensivel, asseado, cortês; essas coisas demonstram que o homem é capaz de se preocupar com a companheira mais do que com o penis que carrega no meio das pernas e isso, às vezes, faz toda a diferença.

Saiba conquista a mulher e se fazer conquistar por ela. Mas entenda, não estou dizendo que isso é uma cartilha para levar a mulher para a cama. Não fique agindo como se ela fosse apenas um objeto sexual, faça-a se sentir querida e segura ao seu lado e ela vai (em um dado momento) te recompensar pelo que está fazendo.

Abraços e sempre as ordens.

26 de jan de 2010

Dr. Rom responde: Estou afim de um homem casado! O que aconselha?



Eles se encontram numa esquina e "bum"; amor a primeira vista. É engraçado como as coisas hoje em dia são menos "bonitinhas" do que os nossos pais/avós dizem que era no passado; um passado em que existia todo um ritual para namorar/noivar/casar.

Vivemos um período da sociedade pós-modernista em que as pessoas deixam de lado o sentimento de estar fazendo algo errado, para vivenciar um desejo ardente, mesmo que seja momento.
Nossos pais/avós falam muito de repressão (seja por parte do Governo ou pelos antecessores deles) e com isso formulamos que o momento é de nos livrarmos das amarras e tabus da sociedade.

Mas com essa situação pungente acabamos por perder algumas pitadas de noção sobre o certo e errado!
Não estou dizendo que apaixonar-se é errado; longe de mim, que sou um romantico incuravel, dizer uma coisa dessas. Mas algumas coisas acontecem na nossa vida apenas como forma de aprendizado e não devem ser arriscadas com a possibilidade de sair machucado de um relacionamento que desde o inicio está fadado ao fracasso.

Não existe nada mais gostoso de sentir-se apaixonado, mas e quando esse sentimento é tomado por insegurança, ausencia, falta?
Um relacionamento com alguem comprometido sempre é um problema e na maioria das vezes o problema recai no colo da pessoa que "interferiu" a harmonia do casal.

Me foi pedido um conselho de como agir na situação de estar apaixonado(a) por uma pessoa casada. Minha resposta e conselho: esqueça isso, pois o periodo de felicidade pode ser facilmente e rapidamente substituida por dor e remorso.

Sabemos de muitos casos em que as pessoas se envolvem com homens comprometidos e quase sempre com a promessa do referido homem abandonar a esposa (sob pretextos de infelicidade dentre outras mais) o que na pratica não acontece e a pessoa que fazia o papel de "namoradinha" fica frustrada com a situação até tomar uma providencia, podendo essa ser abandonar o amante ou até mesmo uma solução um pouco hollywoodiana.

Mas acredito que o maior conselho que eu poderia dar a essa situação é: coloque-se no lugar da mulher do referido objeto do seu desejo e pense se gostaria de que seu marido estivesse se envolvendo com outra pessoa, por mais apaixonada que essa seja?
Após refletir sobre a questão, decida-se sobre como proceder!

Beijos, Dr. Rom

22 de jan de 2010

Homem e o seu melhor amigo: O Super Ego.



Pessoas nerds provavelmente vão pensar que estou falando do Ego como “centro da consciência inferior, diferente do Eu, que é o centro superior da consciência”, mas a verdade é que não sou uma pessoa tão puritana e boazinha a ponto de me referir a isso. E muito menos estou falando de algum animalzinho de estimação sob a alcunha de Ego.

O que estou falando é muito mais simplório e direto. Estou falando do ego masculino, aquele cristal frágil que nós homens guardamos na parte mais profunda da nossa psique.

Um casal está deitado à cama e em um dado momento a mulher,brincando, fala algo sobre o membro do seu companheiro. Pronto, trincou o cristal.
Independentes do tamanho do membro do homem sempre serão complexados com o tamanho, mesmo debaixo dos gemidos e orgasmos da companheira.

Uma das verdades universais é a de que somos criados para os desígnios de nossa masculinidade perene e a comparação com outros (seja ex-namorados ou transas aleatórias) pode abalar a coluna mais frágil do nosso ser.

Qual o homem que nunca ficou em duvida se conseguia realmente agradar a companheira na cama?

Não tem duvida sobre o “Sentido da Vida”, “Para onde vamos?” ou se “Deus existe?”. A maior duvida do homem é se ele sabe usar o instrumento de forma adequada para a sua parceira.

Mas a verdade é que de certa forma os homens supervalorizam essa situação e acabam esquecendo que o sexo não começa na hora da penetração e sim desde a troca de olhares e o coração palpitante. Basta não deixar a paixão morrer no momento em que surge a afeição.


E esses homens se sentem os Super-homens, pensando que são os ases do sexo, enquanto que na maioria das vezes as mulheres que vão para a sua cama saem insatisfeitas e ele, iludido!

Porque de nada vale um pênis enorme se o dono dele está preocupado apenas em gozar e dormir.

Noite de Autografo com Clara Gomes e Fernanda Lizardo



Para aqueles que não sabiam (se é que tinha alguém que não sabia, ainda mais depois da maciça exposição feita no meu Twitter) ontem dia 22 de janeiro, na Saraiva Mega Store do Shopping Rio Sul ocorreu o lançamento dos livros ganhadores do BlogBooks.

Entre os felizes ganhadores tiveram duas pessoas que considero amigas particulares: Clara Gomes, do site Bichinhos de Jardim, ganhadora da categoria Quadrinhos; e a Fernanda Lizardo, do Sexto Sexo, ganhadora da categoria Sexo.
Ainda estiveram alguns dos integrantes do Papo de Homem com o lançamento do seu livro; do Dinheirama; do Kibeloco; do Guanabara.info; dentre outros contemplados.

Sinceramente não conhecia ninguém alem da Clara e Fernanda (apesar de querer ter conhecido o Dr. Drinks, do Papo de Homem), mas a noite de autógrafos rendeu ótimas risadas, como no momento em que este que vos fala, Dr. Rom, chegou para a Fernanda Lizardo pedindo um autografo e no momento em que disse para quem era, a mesma tomou um susto por não esperar me conhecer daquela forma.

Dr. Rom e Fernanda Lizardo

Um único comentário sobre a noite de autógrafos: que venham outros livros, ate mesmo porque o livro da Fernanda ficou ótimo, com um texto gostoso, sensual e divertido de ler.

Dr. Rom e Clara Gomes

O que falar sobre o livro da Clara Gomes? Perfeito. A escolha das tiras e a ordem colocada fazem com que o leitor se delicie ao ler.

Meus parabéns as duas. E como não poderia faltar, tirei foto com ambas.

12 de jan de 2010

Masturbação: pratica que leva a perfeição ou a frustração?


“Onanismo ou masturbação é um exercício de auto-conhecimento”.
Isso é que os médicos e psicólogos dizem sobre a prática mais conceituada entre 8 dentre 10 jovens de todas as idades.

Mas e quando essa pratica de auto-conhecimento se torna um vicio?

Até quando uma forma de conhecer o próprio corpo e a forma como alcançar prazer pode ser um fator determinante em como você vai ver suas relações sexuais depois de um tempo?

A verdade é que algumas pessoas adotam a pratica como uma forma de sanar alguma(s) fantasia(s) sexual(is) e com isso acabam se afastando de relacionamentos reais para vivenciar uma pratica sexual perfeita, o que pode vir a frustrar o individuo no momento do ato em si.

Ainda mais se o individuo idealiza transas fenomenais em posições dignas do Kama Sutra com mulheres do porte de varias atrizes de Hollywood.


E sabem o que acontece? Essa mesma pessoa quando se envolve com uma pessoa de verdade acaba descobrindo que nada acontece como sua mente idealizou. Que o orgasmo ao estilo “squirting” dos filmes pornôs não é a coisa mais comum do mundo; que o malabarismo sexual não é uma pratica fácil; e que para agradar uma mulher (de verdade) não precisa falar palavras vulgares e nem ejacular sobre ela, basta respeito.

E essa pessoa, frustrada emocionalmente e sexualmente, se tornara um adulto frustrado em muitas áreas da sua vida pessoal. Não estou querendo parecer freudiano, mas essa verdade é quase que irrefutável.

Convenhamos que em uma relação a dois por mais perfeito que seja, nada é tão perfeito assim. Se o casal tiver uma mente sã e uma intimidade boa, com certeza vão saber levar o relacionamento de forma que seja prazeroso para ambos.

É uma forma de se conhecer? Sim, mas não deixem que isso possa se tornar mais importante e prazeroso do que uma verdadeira relação a dois.

Abraços.